segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Google: market share!

GOOGLE MARKET SHARE


Desde 27 de setembro de 1998, desde sua oferta pública em 19 de agosto de 2004, o Google tem dispendido esforços na tentativa de manter ou aumentar sua superioridade com relação aos seus concorrentes. O que está acontecendo com a Gigante das Buscas no mundo? O fôlego falta, a resistência é sacrificante. O que antes representava 87% a 92% de buscas no mundo, chegou a 81,5% e voltou a alcançar 91% do seu market share global.

Vários fatores podem estar fazendo com que isso esteja acontecendo...vejamos algumas simples suposições:

O principal fator, aquele que foi determinante no início do declínio, é o fato de que os usuários pouco usam a busca de forma produtiva. Apenas para ilustrar e nos baseando em uma simples busca temos as seguintes estatísticas:



OS TERMOS UTILIZADOS NA BUSCA:

Os valores são de 2013, divulgados em março de 2013. Fonte: Serasa Experian

As pesquisas contendo uma palavra foram 32,69% do total e se considerarmos buscas únicas e novas representam 95%, seguidas por buscas que continham duas palavras, com 20,17%, e três palavras, 18,44%. As buscas contendo quatro palavras somaram 11,04% do total, enquanto aquelas contendo cinco palavras totalizaram 7,70%. Aquela caixinha da busca Google pode receber até 32 termos de busca, portanto estamos subutilizando a ferramenta neste aspecto.

AS PÁGINAS DE RESULTADO VISITADAS:

Em torno de 68% dos internautas não passam da primeira página dos resultados de suas pesquisa, e isso por que já foi pior...antes eram 85%. O que significa que são desperdiçados bilhões ou milhões de resultados que poderiam fazer a diferença na satisfação dos resultados por parte do usuário. Portanto, resultados subutilizados.









Fatores que ajudam para o êxodo da busca Google.


MOBILIDADE

Dispositivos móveiss: tablets e smartphones. Estes são o segundo maior fator da baixa nas buscas do Google. Por que? Por que, principalmente, a migração para esses dispositivos foi muito alta, tornando o usuário muito dependente deles, o que provocou a dispersão no acesso através de outros aplicativos, de finalidades variadas.
Mais um fator, decorrente do anterior:

DIVERSIDADE

Com a abordagem massiva nos dispositivos móveis a criação de centenas de outros tipos de buscadores, mais específicos e especializados, fez com que houvesse uma descentralização no uso de buscadores.

CONHECIMENTO DA FERRAMENTA

Uma contribuição muito forte sobre essa evazão de usuários foi em virtude também da negligência da própria empresa em não se fazer conhecer pelos seus próprios usuários/clientes. Como assim? Ora, temos muitos casos de descontinuidade de aplicativos Google por falta de uso ou por que outro tem capitalizado mais uso, como foram os casos da busca timeline, do Google Buzz, recentemente a intensão de descontinuar o Google Reader e ainda a pouco a descontinuidade do Orkut. O sentimento de vazio também aflige a busca. Os usuários não conhecem 10% do que pode fazer numa busca e mal consegue construir uma estratégia de busca satisfatória, por falta puramente de informações e de conhecimento da própria ferramenta.




MUDANÇAS CONSTANTES

Não acho que seja por falta de mudanças ou melhorias em seus algoritmos de busca, até por que somente em 2012 foram mais de 600 mudanças no seu sistema de classificação e qualificação de sites e conteúdos. Vejam, o trabalho é árduo, mas mesmo assim o Google não é a ferramenta que mais gera resultados para tráfego para os outros sites no país?

RESULTADOS MENOS SIGNIFICATIVOS

Um relatório da Experian Serasa aponta que o Yahoo! Brasil lidera a chamada taxa de sucesso com 82,12%, seguido do Bing Brasil, de 81,64%. A métrica é calculada pela proporção das buscas que geram efetivamente ao menos uma visita a um site. Em terceiro lugar neste ranking está o Ask, com 77,18%, seguido do Ask Brasil (77,01%), Bing.com (76,18%), Google.com (72,97%), Yahoo.com (72,64%), Google Portugal (70,21%), Google Espanha (69,38%) e Google Brasil (69,17%).

Aí está! Apesar dos esforços a capitalização de usuários ainda é intensa. Sim, por que são eles os maiores motivos de o marketing digital movimentar o maior volume de investimentos na internet, só ficando atrás da mídia televisiva tradicional, mas em vias de a superar.

Atrevo-me a uma pequena sugestão pra finalizar essas minhas pequenas e humildes observações: A Goolge precisa dar mais foco à integração de seus sistemas. A convergência da plataforma, tanto de hardware quanto de software. é a máxima no avanço tecnológico, portanto, é aproveitar todas as suas abordagens de aplicativos de tal forma que os mesmos se entrelacem...quem sabe o Google Now será esse caminho novo?

Trabalho justamente em expor nas minhas palestras o uso superlativo dessa ferramenta, que ainda sei ser a melhor, mas apenas uma fração de algo maior, ainda em vias de ser visto pela própria Google.

Por hora é só o que eu gostaria de colocar... abraços!

domingo, 27 de julho de 2014

Onde os buscadores são controlados deliberadamente?

Controle dA Busca:





Países onde a internet é inexistente ou controlada:

China: bloqueou o acesso dos seus 298 milhões de usuários a sites como Twitter, Flickr, Youtube, Wordpress, Blogger, Hotmail e Bing.
Coreia do Norte: tem apenas dois websites registrados, o do Centro Oficial de Computação (que na verdade é um órgão de controle do uso da rede) e o portal oficial do governo.

Cuba: o governo comunista controla o acesso da população à informação por meio do monopólio dos provedores e censura de conteúdo considerado impróprio. o preço para acessar sites estrangeiros (e filtrados) é de cerca de 6 dólares por hora, completamente inacessível quando o salário médio da população é de 17 dólares por mês.

Estados Unidos, Reino Unido, Índia, Bielorrússia, Sudão, Barém, Russia, Paquistão, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Belarus, Burma, , Egito, Etiópia, Irã, , Síria, Tunísia, Turcomenistão, Uzbequistão, Vietnã e Zimbábue.

Fontes:
Nova Escola: http://goo.gl/zND61g
Tecmundo: http://goo.gl/LbQLRI





















TRISTE ISSO...

quarta-feira, 16 de julho de 2014

O livro sobre o Google


O LIVRO SOBRE O GOOGLE QUE ESTAVA FALTANDO
.
O PortalTIC adquiriu o livro para sortear aqui no Facebook. Caso o vencedor do sorteio resida em Brasília, receberá em mãos do próprio autor, caso seja de outro estado receberá pelos correios o
livro autografado.
.
Data do Sorteio: 10/08/2014
#osenhordabusca
.
e-Mail: dkzamg@gmail.com


Link de aquisição do livro:
.
Lnk para o soretio do livro:













































BOA SORTE!

terça-feira, 27 de maio de 2014

O Livro sobre A Busca Google!

A BUSCA Google!


 Google o livro!



Saudações a todos,

Agradeço a vinda de todos neste portal ou canal digital, e quero começar dizendo a vocês que já está disponível para aquisição o mais novo e ousado registro e análise do motor de buscas mais utilizado no mundo inteiro: o Google. Mais especificamente o Google Busca, ou o Google Search, ou o buscador Google, motor de busca, enfim, como queiram nominá-lo.

Mas estou aqui pra informar que o conteúdo deste livro é apenas uma parte de tudo o que pretendemos disponibilizar aos leitores, pesquisadores ou estudantes,nos formatos digital e impresso.

Garanto que a exposição feita no livro é bastante simples, de uma linguagem comum, clara e objetiva. Procuramos dispor, no decorrer das abordagens feitas, da forma mais simples possível de maneira a não permitir que o leitor seja prejudicado na compreensão do que estamos expondo. De tal forma que o seu conteúdo seja absorvido, compreendido e, finalmente, aprendido.

A principal finalidade deste volume, o volume I, é o de fazer o leitor perceber como a busca responde quando a utilizamos para obter informações resultantes de cálculos, de consultas públicas, de dados abertos, mas principalmente, no intuito de se perceber o comportamento da ferramenta no uso de termos e, as vezes, de operadores e como o resultado pode ser surpreendente, mas ao mesmo tempo, logicamente possível.

A medida que vamos avançando nas páginas podemos ir construindo uma estratégia de uso de termos da língua e começamos a ser mais racionais e conscientes do que devemos fazer para utilizar de forma produtiva a ferramenta de busca web e tirarmos amplos proveitos de seu uso.



O leitor vai poder saber informações tão imediatas,sobre:

- dados de acidentes geográficos;
- informações sociais do país, tais como natalidade, mortalidade, e outras;
- informações das mais diversas sobre economia, geografia, história, atualidades, etc, com o simples uso de termos chaves;
- informações sobre vôos, aeroportos, rotas aéreas, dados de origem e destino;
- informações climáticas;
- poderá fazer cálculos matemáticos: seja aritmética simples, ou conversões de bases numéricas, plotagem de gráficos 2D e 3D de funções simples ou complexas;
- o leitor irá conhecer as constantes matemáticas e físicas;
- veremos as informações nutricionais de alimentos diversos;
- corações de empresas nas bolsas de valores do mundo inteiro.

Enfim, uma gama enorme de informações de uso imediato e bastante interessantes e ao mesmo tempo importantes. Isso nos fará compreender, no que tange ao ambiente externo técnico da ferramenta, um pouco sobre os meandros, os vícios e as eventuais diferenças que obtemos da informação resultante da pesquisa.

Mas é apenas um preparo sobre o que virá depois, no volume II. As observações e experiências neste volume são a base para melhorar mais ainda nossas estratégias de uso de termos de busca, na intensão de encontrar conteúdo relevante.

Desejo a todos uma boa leitura, uma emocionante aventura, e mais que isso, o melhor aprendizado desta ferramenta que revolucionou e revoluciona toda uma cadeia de interconexões tecnológicas a base das transformações do dado, passando pela informação, construindo o conhecimento para a consolidação da sabedoria e inteligência digital, num mundo a tanto tempo sólido e material.

Abraços e sucesso nesta nova empreitada.

Compre AQUI!

#osenhordabusca

 Google O Livro!


Obs: aproveite a promoção que vai até 30 de junho de 2014.